segunda-feira, 3 de setembro de 2007

Juína/MT

O conflito entre fazendeiros e população indígena é uma alegoria à questão Palestina.
No caso, os brancos seriam judeus, pois chegaram em um terra que não era sua e constituíram um estado por força política e bélica. Deixa-se aos índios o papel de palestinos, justamente por serem uma minoria, sem representação política ou força militar.
No caso do oriente-médio ainda pode-se "defender" o estado de Israel usando um artifício devéras dúbio, a religiosidade. Diz-se, na religião da parte interessada, que aquele pedaço de terra lhes foi prometido por deus.
Aos índios ninguém prometeu nada.
Li que quando os colonizadores chegaram levou algum tempo para que os índios identificassem as caravelas, já que, sem pressupostos, não podiam ver o que nunca haviam visto. Uma cegueira igênua.
Menos ingênua é a cegueira dos fazendeiros de Juína, um município no norte do país, onde não há leis, nem racionalidade, muito menos homens de tele-encéfalo super desenvolvido, apenas polegares opositores que descobriram como manejar um gatilho.
O vídeo feito pelo Greenpeace mostra o momento em que cidadãos e impressa foram expulsos de uma cidade sem que lhes fosse feita qualquer acusação legítima e constitucional.
Pois bem, ao menos já sei por onde pode começar minha carreira como fotógrafo de guerra.

5 comentários:

Lua disse...

Eu leio o que sobra, viu. Que bom que atualizou. Bjos, Lina

Fábio Pazzini disse...

Leo,
É mesmo chocante, mesmo que a gente saiba que isso acontece todo dia neste Brasil desde que os Portugueses por aqui pisaram. A lei do mais forte é a única que impera nos rincões do Brasil, e o Lula afirma lá fora que a expansão do agronegócio não ataca a floresta amazônica.

Parabéns pelo blog no geral. Fiz o comentário aqui, mas gostei muito das fotos com diálogo.

Abraços

Patrícia Simionatto disse...

Não acredite em tudo que lê ou escuta por aí, como já disse o Veríssimo "certamente a única verdade escrita nas folhas de um jornal é a data."

Portanto fazer juízo de valor, principalmente se tratando de uma terra que jamais pizaste, é um tanto quanto superficial.

Nesta terra tem gente boa e honesta, que cumpre as leis, que ajuda o próximo e, principalmente, põe comida na sua mesa.

Não, nós não usamos arma.
Alias, alguém viu alguma nesse vídeozinho "gringo e manipulador" ?

A única arma que utilizamos nesta terra é lei que emana da Nossa Carta Magna, onde está garantido o direito de propriedade, o direito ao contraditório e a ampla defesa e principalmente os títulos das terras que desbravamos, com aval do próprio governo, não tomamos esta terra à força, nós compramos, pagamos, e continuamos pagando com cada gota de suor que escorre dos nossos rostos, na lavoura, na lida do gado ou no comércio, que é fomentado por esses fazendeiros.

Não se engane com esses discursos inflamados de falsos ambientalistas e ONGueiros, essas organizações internacionais estão comprando grandes áreas de terras em nosso Brasil, principalmente áreas de floresta amazônica, extraindo nossas ervas e minérios ilegalmente, capturando nossos animais e catequizando o povo indígena com falsas promessas de preservação, mas que na verdade estão documentando toda floresta amazônica em nome estrageiro.

Em poucos anos, não teremos mais floresta amazonica, não por causa de fazendeiros, mas porque tudo estará vendido para esses estrangeiros, que insistem em meter o bedelho no dos outros.
Nós reflorestamos, nós produzimos, nós fazemos projeto de manejo...
As ONGs, os ambientalistas não...eles só falam, falam, falam....
eu assisti ao episódio, eu nasci nessa terra, sob a luz de um lampião, eu tenho 22 anos, eu não tenho fazenda, mas os apóio por que conheço nossas necessidades e nossos direitos.
Eu cansei de ver ONGueiros e ambientalistas virem aqui fazer vídeos mentirosos como este que está postado aqui, forçando o governo a desapropriar os fazendeiros pra depois eles virem e comprarem estas terras e entregar para o estrangeiro, é isso...a pura teoria da conspiração, acreditem!
E sabem que eles não foram expulsos, eles não tinhas autorização para entrar nas reservas indígenas daqui, mas nós descobrimos a tempo, e pudemos avisar o Ministério Público, que acionou a polícia que juntamente com o apoio dos fazendeiros conseguiram barrar estes infâmes a tempo.
Pra entrar no país deles, nós precimos de autorização, pra entrar no nosso não poderia ser diferente.
Nem mesmo nós moradores dessa terra não podemos entrar na audeias sem autorização do IBAMA e FUNAI, pq eles acham qua podem?
E outra, eles alegaram estar fazendo um vídeo sobre as etnias, mentira! como pudemos ver a intensão é plantar o terror, fazer com que perdamos nosso chão, que nos mudemos e deixemos a floresta só pra eles.
Foi proposto para eles que regularizassem a entrada nas aldeias perante o órgão competente, eles não aceitaram.
Foi proposto que levassem um representante de cada órgão estatal com sede nesta cidade e o representante do sindicato rural e dos madeireiros pra acompanhar a visita, eles não quiseram.
Então que vão embora.....
Eles não são donos das nossas terras, NÓS SIM!
no site you tube, buscando vídeo com nome juína, encontraram um vídeo produzido pela tv local, mostrando A VERDADE dos fatos.
link= http://br.youtube.com/watch?v=I6YKvnSLnGQ

Leo Caobelli disse...

Não sei se começo explicando que pisar é com S e não com Z, ou se explico que não dou a mínima pro direito a propriedade.
Minha senhora, Juína te pertence e, acima de tudo, te merece!

marthinha disse...

Meu Deus:(

somos vistos ai fora desse jeito???

gente vem conhecer Juina e seu povo
maravilhoso,por favor!!!

amo os indios,e os respeito,assim,
como os brancos tbém.
teve um conflito;como tem dos professores,metalurgicos,médicos,etc..
Tds são livres pra reevindicar seus direitos,mas,falar mal de um lugar,de um povo, de uma etinia,teem q ter conhecimento da causa.Uma simples palavra resume
meu adorado lugar Juina;AMOR!

Amo este povo,este lugar,negros indios brancos,mulatos,amarelos...
pq é assim q somos aq;uma familia feita de várias raças,mas,com um só propósito...trabalhar e criar nossos filhos.

Ah,e visito com frequencia as aldeias de todas as etinias daqui,
pois sou catequista.

Venham conhecer Juina!

Meu e de meus filhos..."nosso paraiso"

Deus abençoe a tds!

bjo♥